Blog da área de Ciência das Religiões (Grupo Lusófona)
.posts recentes

. Diplomatas de Israel proc...

. Papa Bento XVI resigna, d...

. Manuscritos destruídos sã...

. Opus Dei proíbe 79 livros...

. Ramo português da Igreja ...

. Ortodoxos russos e católi...

. Arqueólogos acreditam ter...

. Proibição da circuncisão ...

. Mulher atacada por ultra-...

. Calendário ecuménico Cele...

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

.Google Analytics
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013
Manuscritos destruídos são 'perda irreparável' para história ibérica

A destruição de manuscritos centenários pelos islamitas que dominavam Tombuctu, no Mali, é uma "perda irreparável" num património que inclui parte da história da Península Ibérica, disse à agência Lusa um especialista em história islâmica.

Fernando Branco Correia, professor de História do Mundo Islâmico na Universidade de Évora, disse à Agência Lusa que em Tombuctu havia "uma série de manuscritos importantíssimos, únicos, que tinham a ver com a história da Península Ibérica".

Entre os manuscritos guardados naquela cidade estariam "obras únicas que têm a ver com a fase do Islão tolerante" e com a convivência de "cristãos (moçárabes), muçulmanos e judeus" durante a fase de administração islâmica dos territórios que hoje são Portugal e Espanha, conhecidos a partir do século VIII como Al-Andaluz.

Com a aproximação das forças francesas de Tombuctu, os islamitas que ocupavam a cidade fugiram e incendiaram um edifício "com manuscritos", segundo uma fonte da segurança maliana, acrescentando tratar-se do Centro de Documentação Ahmed Baba, que, segundo o ministério da Cultura maliano, guardaria entre 60 mil a 100 mil manuscritos históricos.

O académico lamentou a "sanha persecutória" dos fundamentalistas que entendem que "se não é o Alcorão (principal texto sagrado do Islão), não presta".

As duas dinastias que governaram a Península durante o domínio islâmico eram oriundas do Norte de África e estavam ligadas ao comércio trans-saariano, referiu Fernando Branco Correia.

"Com o desaparecimento dos territórios muçulmanos na Península Ibérica", reduzidos no século XIII ao reino de Granada, "há intelectuais, juristas" e outras forças sociais que levam os livros das suas famílias para o Norte de África e alguns vão parar a Tombuctu.

Entre estes documentos encontrar-se-iam "livros de história, geografia, biografias", estimou, ressalvando não conhecer a fundo o espólio do centro de documentação Ahmed Baba.

Esta cidade é historicamente "fundamental para quem vai para a África, uma base fundamental entre a África costeira mediterrânica e a África Negra", frisou. "Como Heathrow, entre a América e a Europa", ilustrou, aludindo ao principal aeroporto londrino.

Como entreposto comercial e de trocas culturais, Tombuctu foi lugar de "confluência, hibridismo e convivência salutar", indicou.

 

Fonte:: lusa/sol

sofia s.

publicado por Re-ligare às 18:28
link do post | comentar | favorito
|
.Google Analytics
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds